noite fria repleta de memórias
de sonhos e planos demolidos
que se foram com o vento.
respiro o ar cheio de ilusões
como se houvesse um acordo impossível
pronunciando as letras do meu nome
com uma voz tão aguda
como uma lâmina fria.

escrevo poemas sobre as pedras
e sobre as gemas, com rimas e algemas,
rascunhos, riscos e temas.
triste repetição de um lamento antigo
pela perdida fé, pela demolida esperança.

abro os meus braços e entrego
o meu corpo cheio de cicatrizes
ao negrume e às trevas e a melancolia
que só os domingos têm.

Diários do Desassossego
apenas R$4,99
Amazon https://www.amazon.com.br/dp/B01N8W1LGD
impresso Brasil http://www.perse.com.br/novoprojetope…/WF2_BookDetails.aspx…
impresso Portugal http://www.bubok.pt/livros/9942/Diarios-do-Desassossego

https://sergioprof.wordpress.com/

10450784_10152526548209451_8460901790370407271_n

Anúncios

te encontrar traz uma avalanche de sensações
que até há pouco faziam parte
de um tempo que eu julgava esquecido.
há algo em mim que insiste
em guardar lembranças apócrifas,
como se fossem cobiçados tesouros.
desejo incurável de cultivar inquietações,
desesperanças e incertezas diversas.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas

com o olhar agnóstico observo
teus movimentos e a escuridão
que me recebem
com uma cordial apatia.
me envolvo no silêncio
do teu silêncio e sigo por este descaminho
escuro e triste da tua alma.

um vazio sinfônico se impôs quando
a porta foi trancada
às sete chaves.
negra é a noite com suas horas
a escorrerem pelas frestas do tempo.
a lua inútil acompanha meus passos
incertos pelas linhas do destino.

vejo em meus olhos no espelho
o que fui e o que me tornei
à minha revelia.
a reação e a ação, o efeito e a causa
se sucedem em nossas histórias.

meus desvios compuseram
aquilo que sou hoje.
neste desalento sem sonhos
ouço o grito intenso
que ecoa o teu nome
e a ele me entrego.
tu rodopias entre o ontem e o agora,
nesta pauta de notas desafinadas,
num solo de violinos quebrados.

são poucas as palavras
me deixando vendado
e abraçado ao negro da vida
como a mosca na teia da aranha.

Dois
apenas R$4,99
Amazon https://www.amazon.com.br/dp/B01NCXVK91
impresso Brasil http://www.perse.com.br/novoprojetope…/WF2_BookDetails.aspx…
impresso Portugal http://www.bubok.pt/livros/9941/Dois
https://sergioprof.wordpress.com/

10376739_10152518939959451_2215772405932448526_n

trago na alma o inventário das andanças,
palavras proferidas no deserto das planícies
que percorrem um tempo incontestável.
entre as árvores e as montanhas, a história,
o milho semeado e colhido.
a cana, o cacau, o tabaco, o trigo, o café.
entre serras e pampas o voo das mariposas
é uma prece debaixo dos olhos do deus católico.
ouço tuas sílabas de encanto.
américa.

desfilo meu enredo andarilho,
passo a passo rumo à alvorada.
quantas trilhas, quantos limites!
a travessia ao anoitecer no titicaca,
as cordilheiras dos andes aquecidas pelo sol
e a noite debaixo do céu de macchu picchu.
as águas de el nino vem inundar o passado
e tudo chega como um oceano de saudade
por todos los amigos e los hermanos.
américa.

doze de outubro,
mil quatrocentos e noventa e dois.
passos a ecoar pelos becos seculares
de quito e de la paz.
ainda não ouvi tudo quanto queria ouvir,
derramo o cântaro de minhas lástimas
sobre tuas feridas abertas.

lembro-me da fascinação do teu corpo
nascido da utopia, cenário manchado pelo suor
de negros homens no canavial
ou amarrados ao tronco, a chibata a ecoar
em suas costas, os campos semeados
e a esperança tatuada em tua pele.
o perfume da terra cultivada,
nos seus frutos germinava o encantamento
e nossas pálpebras se abriam para um novo dia.

américa que vivi,
entre risos e o pranto, o esplendor de tenochtitlan.
a américa primeira,
asteca, maia, inca e guarani,
a américa mãe,
sangrada por cortez e pizarro.
a pátria de todos nós,
a heroica pátria de bolívar
pilhada e consumida
pelas garras dos tiranos.
vi tuas casamatas abertas
e as densas trevas que caíram sobre ti.
vieram os anos de chumbo,
os labirintos de dor e as atrocidades.
na penumbra morreram todas as flores.

canto a liberdade asfixiada,
pronunciando nomes como médici, somoza, fidel, pinochet
e seus rastros homicidas naqueles dias amordaçados.
canto as valas comuns,
as ossadas do atacama,
os esqueletos do araguaia.
meu réquiem é para os desaparecidos,
meu canto é para os filhos da ditadura,
para os sobreviventes e suas cicatrizes,
para as viúvas e os órfãos.
para las madres de plaza de mayo
e suas lágrimas perenes.

séculos se passaram
e tuas chagas ainda emergem nos jornais.
malditos condores,
malditos generais.
canto por ti, américa, por tuas favelas,
por teus bairros miseráveis e por teus palácios,
por teu brilho ofuscado pela tortura.
américa de tantos massacres e cadafalsos,
ouço-te na voz melancólica das metralhadoras
derrubando o ultimo jagunço em canudos.
uma américa de martírios,
estrangulada em atahualpa,
esquartejada em cusco,
sacrificada em che guevara.
executada em cada prisão,
e nos rituais da morte do dói-codi.

tanto luto, tanta memória
e nenhum perdão,
um áspero clarim ao entardecer
distante, tão distante,
ressoa nos planaltos e nas cordilheiras
e hoje, em busca de si mesma
ainda abrigas o mesmo fragmentado coração.

o que te aguarda, américa?
os anos se foram, inquietantes e atrozes
restando um mundo com seu clamor colonizado.
busco em teu íntimo silêncio,
por tudo aquilo que perdemos.
meu pensamento numa oração e num lampejo,
viaja ao eldorado,
lá, muito além do amazonas, um lugar deslumbrante.
muito além do aconcágua
muito além da sombra de montezuma
e dos acordos de tordesilhas.

falo em nome desta américa indígena agonizante,
falo em nome de uma américa proletária
em nome do ouro e da prata ensanguentados.
das roupas gastas dos camponeses sobre a terra árida
e a resignação de um povo com sua misteriosa mudez,
seu grito contido que em algum lugar se perdeu,
sua fome urgente e seu sangue.
suas praças onde se erguem as estátuas dos seus heróis
falo das barriadas,
da miséria, da varíola e do frio,
falo em nome dos meninos que vendem balas nos sinais.
falo por todo discurso subtraído,
reprimido pelos fuzis, detido, interrogado, ameaçado
falo da marca da tirania encravada nas paredes
falo de uma era de desterros e torturas,
do terror uniformizado.

tenho os punhos abertos e o peito vazio.
em meu gesto de amor desesperado.
meu olhar descalço e peregrino
assistiu a nostalgia do exílio e dos encarcerados.
dos párias, dos bêbados, dos vagabundos.

caminhando pela terrível solidão branca das ruas,
pelo destino oculto das metrópoles
abre-se o itinerário clandestino das minhas pegadas
por entre as trincheiras escavadas dos meus sonhos.

 

0,,16916151_303,00

Diários do Desassossego
apenas R$4,99
Amazon https://www.amazon.com.br/dp/B01N8W1LGD
impresso Brasil http://www.perse.com.br/novoprojetoperse/WF2_BookDetails.aspx?filesFolder=N1406625657012
impresso Portugal http://www.bubok.pt/livros/9942/Diarios-do-Desassossego

escrevi teu nome no vento.
extraordinária angústia:
os jornais e a falta de encanto
do dia negaram a tua presença.

17991660_409971876041467_8726970474688067875_o

Às vezes tudo começa quando menos se espera, um acaso no supermercado, no bar da esquina, um dia de folga em que não há relógio nem obrigação nem agenda. Um encontro, um sorriso, uma música. Às vezes tudo se anuncia desde o primeiro minuto, como se tudo tivesse sido planejado, marcado e combinado.

Amores Possíveis
apenas R$4,99
Amazon https://www.amazon.com.br/dp/B01N0BIVSY
impresso Brasil http://www.perse.com.br/novoprojetoperse/WF2_BookDetails.aspx?filesFolder=N1407877401721
impresso Portugal http://www.bubok.pt/livros/9940/Amores-Possiveis

foram eternos dias a distanciar nossas vidas.
nossos corpos, separados, recriaram seus instintos,
circunspectos, mesclados a um proscênio fosco
atuamos como se nunca houvéssemos nos encontrado,
nos tocado, nos provado, nos revelado,
determinados, sob um céu ordinário.

foram eternos dias a desamarrar nossos destinos,
a silenciar nossos gritos em nossa cama.
e a cada noite eu os ouvia nesta cama agora vazia,
nossos fôlegos sob esta mesma lua.
tua saliva e tua secreção a corromperem todos os hinos
onde agora só restam demônios.

foram eternos dias apagando nossos nomes,
o céu de tua boca, abrigo do falo insistente,
agora apenas um vácuo inconstante.
tantos foram os nós nunca desfeitos,
éramos anjos tentando saciar nossas fomes,
tentando iludir a dor persistente.

foram eternos dias que escreveram nossa história,
a tua voz persiste ainda na noite escura.
a tua falta ocupa o espaço do ambiente,
doce ausência em minha memória,
amargo sabor neste dia que se inicia.
nossas vitórias, nossas derrotas são um perjúrio.

foram eternos dias que fecharam minhas feridas,
estancaram o sangue à minha revelia
nas avenidas do meu infortúnio,
entre os meus clamores sem sentido.
bardo errante sem rumo
imerso em delírios, pecados e loucura.

foram eternos dias a consolidar nossos receios
entre os credos de tua púbis sob esta sombra desnuda.
nossa intimidade subverteu nossa lua
renegando a inexistente paz de nossa teia,
do que passou a se chamar presente
em nossas faces somente a negrura.

Amores Possíveis
apenas R$4,99
Amazon https://www.amazon.com.br/dp/B01N0BIVSY
impresso Brasil http://www.perse.com.br/novoprojetope…/WF2_BookDetails.aspx…
impresso Portugal http://www.bubok.pt/livros/9940/Amores-Possiveis

de ti trago memórias
que o tempo cuidou em preservar,
voos de ícaros que ainda amanhecem
no orvalho da minha sede
pela febre do teu corpo
que em mim nunca se extinguiu.
.
minhas mãos ainda te buscam
ainda que há muito já não te toquem.
me perco em minha insensatez
colhendo alegorias, ilusões,
acorrentado à tua miragem,
quimera de deslumbramento
dos meus infinitos enganos.
à noite, no espelho é o teu rosto que vejo.
.
são para ti as rubras rosas que trago,
é por ti que pulsa o sangue em minhas veias,
é teu este meu grito mudo.
são para os teus peitos
este toque dos meus dedos.
.
ecos da tua voz me trazem
tuas palavras agora antigas.
te ouço ainda mesmo que ausente
e me sopras ventos de nostalgia
que vagam pelas esquinas dos meus dias.
.
o hálito morno de tua respiração
me invade o fôlego
e me torno o avesso do meu avesso.
restaram pequenas palavras
que me sussurravas com tua voz muda
quando me pedias que te ouvisse,
quando me pedias que te tocasse,
quando me pedias:
me beija, me fode.
.
te trago dentro de mim,
te fiz parte de mim,
caminhas ao lado dos meus passos,
pisando comigo este mesmo chão
e me conduzes ao longo do dia
para algum vago sítio,
para algum improvável lugar.
.
caminhamos juntos pela mesma estrada
mas há muito já não há mais estrada,
somente o rastro que nossas feridas deixaram.
somente um abismo profundo e negro.
um vazio, implorando aos gritos
que algo o preencha.

Amores Possíveis
apenas R$4,99
Amazon https://www.amazon.com.br/dp/B01N0BIVSY
impresso Brasil http://www.perse.com.br/novoprojetope…/WF2_BookDetails.aspx…
impresso Portugal http://www.bubok.pt/livros/9940/Amores-Possiveis

provo teu negro amor,
teus lábios amargos
na escuridão de nosso beijo.
o espelho reflete nossos corpos nus
e o negrume que nos acompanha.
.
púbis clara,
lua rara,
nossas roupas
pelo chão
da sala.
.
teus olhos imóveis
são pedras preciosas
a comprar o vazio da cama.
uma mulher vazia de sonhos.
.
tua beleza,
que me fez te desejar
acabou por sublimar
as outras tantas
que já desejei
como se todas as outras
tivessem em ti se consolidado.
.
rosa
escarlate
banhada
no orvalho
das minhas lágrimas.
rosa a me ferir
com seus espinhos.
.
tua voz
branca,
descrente,
como uma anêmona
entoa num cântico profano
o desalento deste amor
numa longa e triste canção.
o espelho refletindo nossos sexos
e a triste constatação de teu olhar imóvel
como pedras preciosas
a comprar o vazio da cama.
.
no escuro do quarto
sinto o calor de tuas mãos
e da urgência com que gozas.
a te chupar,
a lambuzar meu rosto
com o teu suco.
a sentir os teus dedos
que me acariciam
cada um de meus sentidos entorpecidos
como o despertar de um sonho
que insiste em não terminar.
.
diante de teus lábios amargos
me torno tua sombra,
um cão fiel,
um obsceno fruto, teu mel
a tornar amarga a minha vida.
.
atmosfera escura,
lua obtusa,
acredito em tua mentira
mais uma vez: sou tua.